"The Alchemy of a changing life is the only truth"
(Rumi)

"A magia é um acto transformador e a verdadeira transformação tem lugar bem fundo nas nossas raízes."

(Teresa Moorey "A Sabedoria das Árvores")

"Desapareça o que é velho, a putrefacção e o bolor desta massa informe: venha, pois, a eterna vastidão de um espírito liberto, um ser tão livre que projecta a imagem da eterna esperança na mais pequena gota de orvalho pousada no cálice de uma flor."
(Shakespeare)

February 10, 2018

Iris Amarelo (Iris Pseudacorus) – Expressão Criativa




This common body
Like to a vagabond flag upon the stream
Goes to and back, lackeying the varying tide,
To root itself with motion
Shakespeare, Anthony and Cleopatra



Numa manhã de Abril há um ano atrás, as aves e os insectos voavam em grande azáfama enquanto me preparava para ir até ao rio da aldeia da minha avó. Sabia que aí encontraria muitas destas flores -uma observação anual tinha-me mostrado serem as zonas húmidas o seu habitat favorito-, quando… o encontro no nosso jardim! Não me recordava de ter colocado ali nenhum, mas a sincronia certamente queria dizer-me algo e, como levava um frasquinho já com energia destas flores -recolhida à beira de um córrego de uma bonita quinta em Sintra-, aproveitei e fiquei por ali.
O sol estava na altura certa e, quando me sintonizei com aquele modesto Iris (que até parecia meio deslocado), uma brilhante fada amarela de longas asas pontiagudas revelou-se sentada na flor. Silenciosamente foi deixando escorrer para a água que eu levava a sua essência mágica orvalhada, como se de gotas de mel se tratassem, salientando a grande quantidade de néctar que cada flor desta espécie se diz produzir e também um dos seus ápodos: “róscida” (orvalhada). Foi deste modo que a nossa horta e jardim devolvia a criatividade que nela tínhamos investido, após anos e anos de abandono, surpreendendo-me a mim em particular com o florescimento daquela que precisamente buscava.


A Iris Pseudacorus é muito útil na limpeza de águas pois os seus prolíficos rizomas fazem um excelente trabalho de filtrar metais e toxinas, brilhando as solarengas flores acima do lodo. De facto, esta planta resiliente, que mesmo cortada surge com renovada força, possui uma cor tão pura e intensa que levanta o espírito só de ser observada, mas que aliada à harmonia da forma nos recorda que a vida é muito mais do que mera (sobre)vivência. É muito útil quando sentimos que os nossos “pés de barro” nos afundam no mundo material. Este elixir dá confiança e segurança nas nossas habilidades inatas para ser criativos e felizes, sem tensão relativamente ao futuro, devolvendo-nos deste modo vivacidade.

Iris na mitologia grega é a mensageira de asas douradas dos deuses, fazendo a ponte entre estes e os humanos através do arco-íris no qual viaja. Tem sido um símbolo de eloquência e a própria flor parece estar a falar: as suas pétalas inferiores descem em direcção ao chão como que mostrando uma boca aberta mas constituindo na verdade a plataforma perfeita para os insectos polinizadores aterrarem. 


Este elixir ajuda a trazer inspiração quando tudo parece “aborrecido”, dando a habilidade de VER a beleza em tudo o que nos envolve e a expressá-la de modo a que outros a possam também ver mais claramente. Por alguma razão foi, em anatomia, dado o nome de “Iris” à porção colorida do olho que responde à intensidade da luz. A Iris promove em nós a vontade de explorar novas áreas e habilidades sem medos nem reticências, avançando com fé, sabedoria e valor- que se dizia que as suas três pétalas representam, daí ter sido muito utilizada na heráldica. Ajuda-nos portanto a assumir o nosso ilimitado potencial partilhando a nossa capacidade criativa com o mundo, desenvolvendo esses impulsos e potenciais.
A nossa filha, quando tinha  4 anos, ao tomar o elixir, revelou no mesmo dia uma mudança que foi para mim muito clara: deixou de dizer “não” por simples vontade de contradizer e até nos mais pequenos gestos parecia expressar-se criativamente. A sua capacidade de cooperação demarcou-se tanto que me fez meditar no facto de, muitas vezes, um “não” ser apenas uma fuga, um modo de evitarmos encontrar soluções criativas para as questões da vida.
Este elixir possui a força de Júpiter e Vénus e foi sintonizado com o sol em carneiro.

Afirmação: “Abro-me a novos projectos criativos e a outras artes a ser revelas”

©Sofia Ferreira

December 06, 2017

Elixir Vibracional de Aveleira (Corylus Avellana) - Sabedoria

Uma única gota de orvalho...


Wakening from the dreaming forest there, the hazel-sprig
sang under my tongue, its drifting fragrance
climbed up through my conscious mind
as if suddenly the roots I had left behind
cried out to me, the land I had lost with my childhood -
and I stopped, wounded by the wandering scent.
Pablo Neruda



Esta árvore está cheia de magia e as lendas contam que apenas herbalistas e magos se aventuravam através dos bosques húmidos das aveleiras pois estavam povoados de fadas, duendes e outros espíritos da Natureza. Era tão respeitada pelos celtas que os druidas andavam com bastões de avelaneira para os usarem como “paus falantes”, e os poetas os utilizavam como suportes de encantação e inspiração. Uma lenda irlandesa conta como 9 avelaneiras cresciam em redor de uma fonte onde nadavam salmões -animal que regressa regularmente ao local dos seus ancestrais-, que comiam dos seus frutos e se tornaram por isso o animal mais sábio.


A madeira de aveleira possui grandes propriedades electromagnéticas e essa capacidade condutora é ainda hoje aproveitada pela radiestesia na pesquisa de veios de água e de outros tesouros. Dizia-se que permitia encontrar o que estava escondido, especialmente a sabedoria da ciência sagrada – de que os celtas diziam ser a avelã o receptáculo-, tornando os homens omniscientes. Num ano de excepcional abundância em avelãs como o de 2017, parece que elas nos querem relembrar da necessidade de ganharmos sabedoria enquanto espécie humana, até porque é do conhecimento geral que comer avelãs potencia a função cerebral!


Este elixir foi sintonizado na Galiza durante a Lua cheia em gémeos de Dezembro 2017, logo após a meditação alquímica de Saturno- primeiro sábado de Dezembro-, e dias depois da minha filha de 4 anos me olhar nos olhos e dizer muito séria “Sabes mãe…eu fui beijada pelas fadas aqui neste local!”. No dia exactamente anterior, ao caminharmos as duas pelo bosque de castanheiros, fomos presenteadas com duas corças imóveis observando-nos, animais que na mitologia celta são as guardiãs do limiar do mundo das fadas.



Conectando com uma folha num bosque de aveleiras!






Quando subi à encosta onde as aveleiras ladeavam um riacho, o mesmo cuja água foi utilizada para sintonizar o elixir de Bétula anos antes, o sol ainda projectava os últimos raios. Estes eram filtrados pelas folhas de um outono tardio que resistiam nos ramos e criavam uma atmosfera quente comparando com o resto do vale abaixo, já entregue ao anoitecer. Mas foi quando o véu nocturno também desceu naquela parte do bosque que a sintonização se iniciou. Nessa altura vi claramente como a energia das aveleiras descia das partes aéreas para as raízes, onde eu colocara o cristal. 


Fui-me deixando embalar pelo som da água que os gaios interrompiam constantemente e tive uma imagem mental muito clara de um destes pássaros segurando uma bolota no seu bico. Os Gaios pertencem à família dos corvídeos, que são ostensivamente dos pássaros mais inteligentes e com maior capacidade de resolução de problemas. Simbolizam a reunião de informação através do trabalho espiritual, de trazer a luz para a mente, e são também associados com a sabedoria ancestral. A sua presença revelava-se particularmente importante naquele momento apesar de ter sempre sentido uma misteriosa ligação com eles.


flores macho e últimos raios de sol

As aveleiras começaram então a falar-me em coro numa voz colectiva muito feminina, sedutora e leve que me envolveu com um canto no qual eu vi danças de hamadríades. Disseram que era necessário que eu abandonasse a consciência comum e procurei concentrar-me num estado de não-mente. A certa altura a energia transformou-se, ficando mais densa, e senti que estas árvores se tornavam mais “entroncadas” energeticamente enquanto uma rede eléctrica radicular alastrou pelo chão e se dirigiu para a água da sintonização.

A pedido das aveleiras, deixei o cristal também durante a noite para terminar a sintonização. Antes de me despedir elas referiram-se à tristeza, provocada por um ano de seca profunda e desrespeito pelo mundo natural, que tomava conta de mim:
 
 “Estamos na terra há muito mais tempo que os seres humanos e somos quem cria as condições para a vossa existência. Quando desaparecermos, o mesmo já terá sucedido convosco muito antes de nós!”.





O Elixir Vibracional que resultou ajuda-nos a orientar a nossa energia vital na direcção de uma mais ampla harmonia entre luz e trevas, entre leveza e densidade, sem divisão da alma. Como disse Fred Hageneder: “Se nos conectarmos com a nossa criança interior que ri, dança e sabe reconhecer a magia da vida, estaremos também em sintonia com a mais antiga sabedoria do mundo”  (The Spirit of Trees). De facto, em espagíria considera-se que a Aveleira sintetiza a união harmoniosa das potências da luz com as entidades ctónicas, subterrâneas: a imagem da Mãe terrestre com a criança celeste repousa bem abrigada sob aveleiras rodeadas do frio invernal. 

Este elixir promove a compreensão intelectual, a faculdade de análise e a reflexão filosófica que nos ajuda a pensar através do nosso próprio cérebro sobre o significado da vida e de tudo o que existe. Esta é a verdadeira árvore de Sophia que ajuda a encontrar e desenvolver a nossa sabedoria interna e a encontrar as nossas próprias respostas- creative thinking que tanta falta faz nas escolas! 


O Elixir Vibracional de Aveleira encoraja-nos portanto a procurar informação e inspiração em tudo o que existe e enfatiza o valor da mente inquisidora e das aprendizagens de todos os tipos, sempre mantendo uma mente aberta para podemos manter a conexão com a fonte divina de todas as coisas. A falta de retorno a si, aceitando “colocar um joelho no solo” com humildade, poderia ser um senão do excesso mental mas o Elixir Vibracional de Aveleira evita-o, criando paciência e constância no desenvolvimento da experiencia mística:


“Ele tornou-se semelhante à aveleira,
 que logo floresce nos meses sombrios e deixa 
que esperem durante muito tempo os seus frutos desejados” 
(Hadewijch D’Anvers).



Qualidades: rapidez de raciocínio, relaxamento meditativo que permite dar largas à intuição e protege contra o excesso cerebral, habilidade para receber e comunicar sabedoria, crescimento intelectual, Arte da Cura
Chackras: Raiz, Laríngeo e Frontal
Planetas: Saturno, Mercúrio e Lua
Elementos: Terra, Ar e Água
Numerologia:  9





©Sofia Ferreira

December 02, 2017

Elixir Vibracional de Jaguar- Empowerment



Drifting in and out of shadows like a vaporous mist of focused intensity, your emerald eyes penetrating the darkness of the tangled jungle of the human mind. Vigilant observer for He who came from the stars, do you still prowl the dusty corridors of our fears? Remind us that the greatest victory comes from rising above the chains of our hate and greed, to stand free in love. And in that moment, your graceful form by our side, we may know the joy of the reunion, the changing of the tide, when the Ancestors return from the stars . . .
“Oração ao Jaguar” (autor desconhecido)




Na América Central e do Sul o jaguar é o grande representante felino e, como todos os gatos, mostra-nos a sua agilidade cautelosa e a sua capacidade de rápida transformação. Esta última está bem marcada no recolher e exibir das garras, na mudança de indolência para ferocidade, na dilatação das pupilas e na visão binocular que confere a todos os gatos uma grande habilidade de julgar distâncias com uma percepção extremamente apurada; penetrando (a outros níveis), a escuridão cósmica com esses olhos “que tudo vêm”.

Em várias culturas desta zona de florestas (ainda) profundas, o jaguar foi associado à realeza, ao domínio da lua e do sol, ao equilíbrio da esquerda com a direita e às forças dos xamãs. Eram-lhe atribuídos poderes sobrenaturais devido à sua indiscutível força e poder, que residia em parte na habilidade de se manter oculto e em caminhar tranquilamente entre o mundo superior e o inferior, estando tão confortável na água como nas árvores, no dia como na noite.


 Há milénios que xamãs de diferentes culturas praticam a transformação em animais – teriantropia a que no México se chama de “Nagualismo”-, e esta imagem olmeca, uma das muitas imagens de híbridos na arte mesoamericana, parece representar um xamã em pleno processo entre o felino e o humano.



Uma foto de 2007 com Cristian, um menino da aldeia maia onde vivi, 
e que mostra incríveis semelhanças com a escultura pré-colombiana acima.


Na mitologia maia, conta-se que foi Deus Céu quem trouxe aos homens o princípio universal da Integridade e os instruiu para se conduzirem nas suas vidas por um código de conduta que seguisse os princípios da impecabilidade; devendo entreajudar-se e viver em harmonia com o planeta e todas as suas formas de vida. Disse-lhes também que um dia regressaria das estrelas mas que deixaria com eles o seu espírito animal, o jaguar, para os vigiar e o informar da sua conduta. 

Com o tempo, aqueles que haviam deturpado os ensinamentos que lhes haviam sido concedidos e cujos corações se haviam enegrecido, devido à vontade de poder e à falta de reverência pela vida, começaram a ser perseguidos em sonhos pelo nagual do deus. Este repunha a justiça ao devorar as condutas inaceitáveis, os abusos de poder e de autoridade que ainda hoje -na política, na justiça, na economia, na educação como na medicina-, são tão actuais.



No auge dos cultos lunares em terras maias, o jaguar representa também a deusa lua-terra, Ixchel, da fertilidade e da medicina -venerada por parteiras e curandeiras. Neste desenho que realizei a partir de uma pintura mural, ele surge transportando búzios e nenúfares, reflectindo a sua relação com a água mas também com a bebida sagrada dos deuses maias, o Balché
 (ver informação do Elixir de Nenúfar)


Na zona maia mexicana onde vivi, o meu mestre contava que por vezes os jaguares eram vistos de madrugada a rondar as casas da aldeia, não sendo inusual animais domésticos serem atacados, tal como sucedeu com as galinhas de uma amiga e o cão de outra, “perdidos para um balam”- seu nome maia. Eu mesma cheguei a escutá-los uma certa noite no meio da vasta selva subtropical do Caribe mexicano. No entanto, a minha relação com os jaguares ultrapassa a de possíveis contactos exteriores, sendo que foi em momentos cruciais que, por mais de uma vez, senti que tinha um espírito de um jaguar a acompanhar-me- uma presença muito clara e real que mostrava o meu próprio estado interno-, chegando outras vezes a sentir que eu era o próprio animal, observando através dos seus olhos e movendo-me através dos seus músculos. 
A selva subtropical que observo a partir da pirâmide Nohoch Mul em Cobá, 
bem próximo da aldeia do meu mestre, sentada num Chac Mool(2008)


Em 2007, depois de um dos retornos do México, encontro-me salpicada das marcas típicas do Sarampo, doença para a qual tinha sido vacinada e que ainda assim o meu organismo aceitou deixar entrar por várias razoes bem conscientes. Nessa viagem alguém me tinha dito num tom sério: “cuidado para não apanhares uma doença de jaguar”. Não entendi o que quisera dizer e deixei passar, mas quando já estava de “quarentena”, recordei-a e tive tempo para pensar no que significaria, agora que possuía as “manchas solares” daquele felino na minha própria pele. Senti sobretudo que se tratava de uma iniciação de crescimento: um organismo que tinha passado (embora tardiamente), pelos “ataques” habituais que as crianças passam naturalmente, criando finalmente a sua própria imunidade e ficando deste modo preparada para a idade adulta.


A propósito do “surto” de Sarampo que, no início do ano que agora termina, teve lugar em Portugal… algo que me fez não só PENSAR mas também PESQUISAR para, enquanto mãe, cidadã e ser humano curioso, poder assentar as minhas convicções em factos sólidos e não apenas em informação veiculada pelos meios de comunicação ou por grupos específicos – que se revelou ser manipulada. O poder pessoal que o jaguar representa é também revelado na capacidade de sermos responsáveis pela defesa do nosso ser a todos os níveis, inclusive fisicamente, fazendo escolhas assertivas e conscientes. Continuemos a delegar essa responsabilidade à medicina, tal como hoje ela é praticada, e caminharemos para um total desempoderamento. A responsabilidade pelas nossas acções, escolhas e decisões, compete a cada um de nós pessoalmente e não deveria estar subjugada a nenhuma autoridade quando os factos mostram que essa mesma autoridade não procura o bem comum. É nestas alturas que me pergunto ainda mais, se finalmente chegou o momento para resgatarmos o nosso poder pessoal…?


E, para concluir estes pensamentos, foi assim que, num domingo (dia de sol), em lua nova, após uma oferenda de cacau na nossa roda da medicina, tendo presente uma garra de jaguar que me havia sido oferecida no México, comecei por tocar o tambor para invocar este animal… e imediatamente vi os seus passos na minha frente. Assim nasceu este elixir vibracional, que partilha o lado mercuriano do Tomilho (ver a informação deste), e nos ajuda a utilizar o nosso poder judiciosamente. Permite-nos, tal como foi descrito acima, caminhar com rectidão de modo a viver com integridade o nosso potencial humano e, em momentos de caos e de crise que parecem insuperáveis -os grandes renovadores do espírito-, este elixir ajuda a adaptarmo-nos às mudanças e a renovar continuamente as condições e a realidade da nossa existência. Porque, como disse Carlos Castaneda:
“To achieve the mood of a warrior is not a simple matter: it is a revolution!" 
A nível físico, com este elixir eu mesma experimentei maior alerta e os sentidos físicos potenciados.



When the earth is ravaged and the animals are dying, a new tribe of people shall come unto the earth from many colours, classes, creeds and who by their actions and deeds shall make the earth green again. They will be known as the "WARRIORS OF THE RAINBOW
Profecia "Nican Tlaca" 




Testemunho:
Assim que tomei o elixir senti uma pressão no frontal e ao mesmo tempo os pés bem enraizados, algo que se manteve sempre que o tomava. Inicialmente realizou uma limpeza que passou por todos os níveis do meu ser, colocando a nu as minhas fragilidades e conduzindo a perdão, aceitação e libertação. Nasceu uma maior consciência do meu corpo, com uma maior robustez física, deixei de ter dores de cabeça, senti uma vontade de me focar mais em mim, fiquei menos stressado, comecei a fazer exercício e até o tabaco começou a saber-me mal! A qualidade do sono aumentou enormemente (dormia 4h e passei a dormir 8h!),  os meus sonhos começaram a ser lúcidos, senti uma maior auto-aceitação, passei a estar mais presente no Aqui e no Agora. Foi como uma névoa que se dissipou e me tornou “à prova de bala”, mais optimista, com maior facilidade de sair da minha zona de conforto, menos mental e mais livre.” (Hélio-Terapeuta)



©Sofia Ferreira

November 23, 2017

Elixir Vibracional de Amanita Muscaria- Limpeza da Percepção


Num dos Outonos mais secos sentidos na Península Ibérica regressamos à aldeia da Galiza onde já passámos outras temporadas e onde vários elixires nasceram. O ribeiro, apesar de reduzido a metade, mantem-se serpenteando entre o manto de folhas que ainda caiem neste avançado Novembro. Reencontro as Bétulas e os Castanheiros que mais parecem casas e, num recanto do vale que praticamente não recebe sol directo, foi nas raízes destas árvores que agora encontro os meus primeiros Amanita Muscaria, com as suas pequenas verrugas de cor branca- remanescentes do que em micologia se chama de “véu universal”, a membrana que envolve todo o fungo quando é jovem.
Só quando voltei a casa me dei conta da necessidade de realizar um elixir sem demora. No dia seguinte, às primeiras horas frias de uma manhã de lua nova, a sintonização foi realizada utilizando água que havia trazido de Chalice Well (Glastonbury). Os pássaros revoluteavam nos ramos acima de mim, surpresos com a minha presença tão cedo, enquanto eu me aquecia num guardião de quatro patas que me havia seguido silenciosamente, aguardando o que ia suceder.

Vejo então uma espécie de vapor indefinido, ectoplasmático, a libertar-se, primeiro esbranquiçado e depois verde translúcido, que começou a dirigir-se para a água que eu colocara. Transformou-se então numa cúpula que abarcou todos os amanita e, nos limites que tocavam o chão, muitos pequenos seres verde claro pareciam segurar a cúpula virados para o centro, e por isso de costas para mim. Foi só quando um deles sai do círculo e, crescendo até dois palmos de altura, se aproxima de mim, que pude observá-lo mais claramente. Possuía a clássica cara e corpo alongados e verdes, orelhas compridas e olhos amendoados escuros, que tanto podia descrever uma criatura de outro planeta como um duende ou um goblin.

Revelou-se muito alegre e amistoso, surpreendendo-me com tanta familiaridade, ao que, sem que eu formulasse a pergunta sequer, ele respondeu: ”tu já pertences a este lugar”. Salientou logo a necessidade de não esquecer que o elixir a ser sintonizado “não seria para todos”, sendo necessária uma consulta prévia à sua utilização, pois “os véus que retira mostram o lado sombra e processos mentais muito profundos e primordiais”. Diz isto enquanto levanta uma ponta da imagem que vejo do cogumelo, como se fosse uma cortina, para revelar imagens oníricas em fundo negro onde ainda consegui distinguir uma cobra enrolada numa mão. Quando lhe perguntei, já em tom de despedida, se podia levar aquele amanita para secar ele disse um (quase sonoro), “Não!” e acrescentou ironicamente “Não confias no trabalho que fazes?!”. A conversa ficou por ali…





Todos já escutámos as experiências de dimensões cósmicas do Ser total que ocorrem com a utilização deste cogumelo. Houve quem o associasse ao Soma, a bebida sagrada citada nos hinos dos mais antigos textos religiosos (os vedas), sabendo-se que esta espécie de amanita existia e era consumido pelos xamãs da região. Um dos seus nomes comuns- “Matamoscas”, provém do facto de paralisar temporariamente os insectos que dele se aproximam, mas eventualmente também da crença medieval de que as moscas podiam entrar na cabeça de uma pessoa e causar algum tipo de doença mental. Uma história que inclui este amanita é “As aventuras de Asterix e Obelix”, cheias de herança celta, em que o druida, entre outras coisas, usava agárico na sua poção mágica dadora de força. Um dos efeitos psicoactivos que pode provocar quando ingerido, além de energizar, é o sentimento de estar crescendo, tendo sido registadas distorções de tamanho na percepção de objectos durante a intoxicação pelo fungo. Acredita-se que essa observação foi a base para os efeitos descritos na popular história de Alice no País das Maravilhas.


Eu mesma não cheguei a experimentar estes efeitos, mas quando ao terceiro dia de regressar ao local, e já os encontrando pisados por animais e (parecendo até), mordidos, não resisto a tirar uma foto com um na mão e a cheirá-lo de perto, fiquei (minutos depois), ligeiramente nauseada, tonta e com alguma taquicardia… devia ter aproveitado para meditar e ver que mais informações surgiam, mas estava tão empenhada noutras coisas que nem dei atenção ao facto!

A nível vibracional este elixir possui as mesmas características gerais dos cogumelos –ler a informação do “Elixir Vibracional de Cogumelo (Mycena)”-, de purificar a percepção, fortificar a intuição e ajudar a aceder a outras dimensões, sempre em conexão com a realidade, mas com a especificidade de limpar também a informação tóxica de drogas psicotrópicas e dos seus efeitos negativos. A sua força também provém da Lua.

Afirmação: “Purifico o meu corpo, espírito e alma de todas as influências que obscurecem a minha percepção e estou inundado de luz e energia.”


Nota: Este elixir só deve ser utilizado quando a pessoa está mental e fisicamente estável.


©Sofia Ferreira

November 19, 2017

Elixir Vibracional de Liquene- Transmutação



Xanthoria Parietina

Nature doth thus kindly heal every wound.
By the mediation of a thousand little mosses and fungi,
the most unsightly objects become radiant of beauty.
There seem to be two sides of this world, presented us at different times,
as we see things in growth or dissolution, in life or death.
And seen with the eye of the poet, as God sees them, all things are alive and beautiful.



Henry David Thoreau (journal)

Esta foi a primeira sintonização criada a pedido de um Ser que, após trabalhar com 3 elixires YONAH, começou a ser visitado em sonhos por um índio que lhe deu a indicação do líquen dizendo: “esta é a planta que dança dentro de ti”. Foi preciso esperar mais de dois meses para que o momento certo para a sintonização se manifestasse: num sábado (dia de Saturno), na primeira lua nova do ano, a 8 graus de Aquário- com características libertadoras de velhas feridas e do que precisa ser dissolvido-, e em ano novo chinês.

 Ao anoitecer preparei a meditação com um ramo de árvore cheio de belos líquenes de Usnea e de Xanthoria Parietina e surgiram velhos amigos. Em volta do geode estava um círculo de pequenos duendes com cara de trolls e cabelo emaranhado como os líquenes, que havia muitos anos encontrara nas falésias de uma praia especial em Sintra- lugar onde (volvidos 5 anos), me encontrava de novo! Eles disseram “limpar tudo” o que se agarra à nossa pele… mas não consegui que fossem mais específicos.

Embora não pareçam, os líquenes são seres vivos muito complexos e de crescimento lento, que resultam de uma simbiose entre fungos e um parceiro capaz de fazer fotossíntese, na maioria dos casos uma alga verde (cianobactéria). São capazes de viver numa grande diversidade de substratos (rochas, madeira, terra…), mostrando uma capacidade de contínuo ajustamento e de improviso. Têm um papel primordial na Natureza pois são pioneiros em muitos ecossistemas rochosos iniciando a degradação superficial das rochas, criando um substrato que permite o estabelecimento de outras formas de vida. Como não têm raízes, os líquenes absorvem toda a água e nutrientes directamente da atmosfera assim como muitos poluentes, servindo deste modo como bioindicadores.
Alguns líquenes apresentam similitudes com certas doenças de pele e linfomas, sendo que pela doutrina das assinaturas seriam indicados para esses casos. A nível medicinal parecem possuir excelentes capacidades anti virais, anti bacterianas e anti fúngicas.


Usnea

A nível vibracional, este elixir ajuda quando atravessamos mudanças importantes e profundas na nossa vida permitido aceitar clarificar e limpar padrões em vez de os ignorarmos por simples automatismo. Ajuda a entender a livre circulação da força de vida, respirando paz a todos os níveis. Também faz a conexão com a Luz e guia no mundo astral, por exemplo para as almas que partem para outros planos e se sentem perdidas ou presas no mundo terreno, assistindo, neste caso, na separação do corpo físico e do etérico.  Em qualquer caso, o período de tempo entre um fim e um início, na pausa entre a inspiração e a expiração, o sentimento de limbo e de perda de rumo é aliviado.
Em espagíria trata-se de uma mudança de pele para quem, depois de sentir os rigores da existência, se prepara para construir o seu novo destino após múltiplas preparações feitas de altos e baixos. O Liquene oferece-se completamente aos que se colocam em caminho sem voltar atrás: no fim das ambiguidades novas forças, a partir de uma solidão sagrada e um forte reconhecimento de um novo motor existencial, entram em jogo.
Este elixir possui a força de Saturno combinada com a da Lua.

©Sofia Ferreira

April 07, 2017

Elixir Vibracional de Borboleta Morpho Azul- Metamorfose


Quando vires a Blue Morpho oferece-lhe os teus sonhos, 
para ela os levar ao Grande Espírito
"A Borboleta Azul"


As borboletas são profundamente simbólicas da nossa capacidade para crescer e nos transformarmos. Em grego o seu nome é “Psyque”, que também significa “alma”, “sopro”, “respiração". Adornada com um azul vibrante e metálico na parte exterior das suas asas, a Morpho azul mostra-nos a máxima beleza da própria impermanência. Na sua metamorfose todas as borboletas passam várias vezes pela morte de uma fase anterior: elas começam como lagartas que um dia se isolam na escuridão e na quietude do casulo, emergindo no momento certo -nem antes nem depois do tempo-, como as belas criaturas aladas que na verdade são. No seu voo ajudam-nos a redescobrir a graciosidade de nos elevarmos sem esforço: se algo nos estava a impedir de avançar no nosso crescimento, agora é o momento de avançar sem medo de perder a segurança e deixando algo morrer para podermos assumir o nosso ilimitado potencial partilhando a nossa capacidade criativa com o mundo. 

Elas ensinam que a vida é uma constante mutação e a mudança deve ser tão natural como respirar. Podemos aprender a avançar da melhor forma possível no nosso caminho se soubermos reconhecer em que fase do seu ciclo estamos: o ovo, a lagarta, a crisálida ou a borboleta? Sem pressas nem estagnações, cada uma destas 4 fases tem o seu paralelo nas fases de nascimento de uma ideia entre o pensamento e a sua manifestação no mundo exterior. Ser perspicaz e discernir com clareza onde nos encontramos será fundamental para um Bom Caminho. A Borboleta representa não apenas a mudança de forma mas também de perspectiva para evolução e crescimento da alma, relembrando que isso não precisa de ser algo traumático. 

As borboletas recordam-nos também as ligações entre tudo o que existe, pois as linhas invisíveis que nos unem são mais fortes do que conseguimos percepcionar sendo que um pequeno acontecimento como o bater de asas de uma borboleta pode provocar um furacão no outro lado do mundo- fenómeno a que se chamou mesmo “butterfly effect”.


Este género de borboletas recebe o nome de “Morpho” do grego μορφώ, que significa “forma”/“formosa”, um epíteto para Afrodite ou Vénus. As lamelas iridescentes de algumas delas estão apenas presentes no dorso das asas e aí a cor que produzem varia com o ângulo em que são vistas, já na parte ventral varia nos tons castanhos imitando “olhos” (ocelli), que procuram afastar os predadores quando as asas estão fechadas. Existem cerca de 80 espécies de Morpho distribuídas pela América Central e do Sul. O tamanho das suas asas é desproporcional em relação ao do corpo, podendo variar entre 7,5 e 20 cm e são territoriais gostando de viver no interior da selva mas buscando por vezes os raios de sol para se aquecer. Vivem solitariamente exceptuando a época de acasalamento, gostam de se alimentar de sumo de fruta fermentada e os adultos vivem cerca de um mês. 


As minhas memórias mais impactantes com borboletas remontam a 2001/2002 quando, ao atravessar o rio Usumacinta (fronteira entre o México e o Guatemala), o ar abafado à beira da água se mostrou repleto de borboletas amarelas que cumpriam a sua vida deitando-se em fúnebres tapetes coloridos. Nessa época cheguei também a “peregrinar” às frias montanhas de Michoacan com dois amigos que queriam ver a migração anual das borboletas Monarca, encontrando aí os pinheiros revestidos do seu laranja e preto como se adornados com uma roupa solar.


Cerca de 8 anos mais tarde, uma semana depois de assumir o amor por aquele que se tornaria o meu companheiro de vida, regressava por três meses à minha terra mexicana com o propósito de encerrar um processo de transformação profunda que se iniciara um ano antes com um acidente que me deixara 6 meses sem caminhar. Foi em pleno processo de regenerar o meu pé direito até ao osso que sintonizei os elixires de Rosa e de Glória da Manhã (Ipomea Carnea), no jardim do Martim, um amigo visionário que vivia isolado perto da zona arqueológica de Palenque. Todas as noites dormia feliz na rede de baloiço, acordando já de manhã com bandos de pássaros a banquetear-se com as bananas maduras que pendiam da cozinha aberta. À parte disso, o silêncio cheio da selva tomava conta de tudo. Um dia, enquanto pintava uma janela que o Martim me pedira, senti uma presença silenciosa no prato de fruta que havíamos deixado sobre a mesa.


Uma Borboleta Coruja, de asas consideráveis, ali estava pousada alimentando-se com os seus grandes ocelli fitando-me e ali ficou fazendo-me companhia todo o dia.
 













 Nunca a vi a voar, mas a certa altura colocou-se ao lado da pintura, imobilizando-se tempo suficiente para me permitir desenhá-la nessa mesma janela.


Estes tinham sido os grandes encontros com borboletas de que me lembrava, mas nada comparado com a magia que nos esperava quando, um ano depois (2011), voltava ao México desta vez com o meu companheiro. Desde 2000 que viajava para aquele lado do Atlântico e sempre o fizera sozinha, mas o facto de, durante toda a viagem, as borboletas parecerem seguir-nos e querer tocar-lhe tornava tudo ainda mais especial. 


zona arqueológica de Tikal (actual Guatemala)

Apresentei-o à minha terra amada, um terreno de que cuidava (2 kms selva dentro), e estávamos já de partida quando sentimos o som quase imperceptível de umas asas azuis bordadas de negro. Uma grande Morpho Peleides atravessou o espaço entre nós como se fosse um espírito, deixando-nos siderados com a aparição- especialmente porque em tantos anos eu nunca tinha visto uma única Morpho! No dia seguinte tivemos de voltar e, tal como no dia anterior, ela surge… mas agora acompanhada de outra Morpho Peleides mais pequena e, com a beleza sublime das suas grandes asas azuis  revoluteavam as duas pelo ar numa delicada dança de acasalamento à nossa volta, que nos envolveu e deliciou. 

Nabokov, que além de escritor era um coleccionador de borboletas, descreveu estas borboletas como "shimmering light-blue mirrors" e eu agora entendia-o… para mim tinha-se manifestado pela primeira vez a doçura e embriaguez da vida em completude e, acima de tudo, eu era capaz de o reconhecer!


Utilizando estas memórias tão presentes, sintonizei este elixir em Fevereiro último, dia de eclipse solar a 8 graus de Peixes que só em 18 anos se repetirá. Este eclipse rege o retirar dos véus que nos impedem de abraçar o infinito, movendo-nos da escravidão para a liberdade, deixando ir o que precisa partir.

Quando me dirigi para o lugar onde temos a nossa Roda da Medicina, as flores surgiam entre o verde por todo o lado, anunciando a Primavera. Na tradição Hopi, a “Mulher Borboleta” é um espírito (katsina), que rege esta estação e que dança espalhando o renascimento pelos campos- e eu senti-a presente! 



Coloquei então uma labradorite, cristal que me recorda as cores da Blue Morpho, perto do geode já com a água dentro e, ao meditar sentada dentro da Roda, vi uma cúpula de borboletas a formar-se sobre ela e por fim a voarem para os meus braços e cabeça. Quando comecei a tocar o tambor, uma grande Morpho azul pousou na baqueta e dirigi-a para o geode onde ela entrou na água e desapareceu quase imediatamente. As restantes borboletas senti que as incorporava no meu peito, lembrando-me o emblema dos guerreiros toltecas. 




Coluna em basalto esculpida de um guerreiro Tolteca vestido para a batalha no templo da Estrela da Manhã (Vénus), em Tula, com o típico peitoral em forma de borboleta (México Central, 900 a.c.). Para os Astecas a deusa Itzpapálotl ou “borboleta de obsidiana", pois dizia-se ter facas de obsidiana na ponta das asas (provável referência ao negro da Morpho Peleides), representava o arquétipo colectivo da anciã sábia, a bruxa poderosa que recolhia a alma, o sopro vital que escapa da boca de quem está a morrer.


 A cúpula desapareceu nesse momento e escutei dizerem-me então: “inspira e expira 5 vezes”. Ao cumprir o pedido, senti a minha visão a transformar-se para tons de vermelho e azul como se fossem os olhos de uma borboleta. Ao investigar mais tarde descobri que, relacionado com a cor particular de cada espécie, a sensibilidade dos foto-receptores dos seus olhos é particular exactamente no espectro dos ultravioletas, azuis, vermelhos e amarelos.

Estranhamente não ficou o entusiasmo habitual quando sintonizo cada elixir, talvez por esperar que a experiência fosse ainda MAIS arrebatadora do que isto! Como se tivesse que me recordar que grandes coisas acontecem nas subtilezas! No entanto, logo no dia a seguir surpreendi-me a mim mesma com um intenso desabafo com o meu companheiro, 4 dias depois teve lugar um corte fundamental de uma amizade comum que se tornava um peso e da qual tínhamos de nos libertar, as minhas palavras foram-se revelando mais autênticas e livres ainda e, a partir daí, ambos temos sentindo as nossas asas a abrirem-se em toda a sua magnitude no nosso caminho pessoal!

Palavras-Chave: Auto-transformação, auto-conhecimento, clarividência, clareza mental, visão clara, novas etapas, liberdade, leveza, renascimento, ciclos da vida, movimento 

Planetas Associados: Mercúrio/Venús-  reunindo as capacidades de rápida mudança, de ser mensageiras e de estar em constante movimento de forma graciosa


©Sofia Ferreira