"The Alchemy of a changing life is the only truth"
(Rumi)

"A magia é um acto transformador e a verdadeira transformação tem lugar bem fundo nas nossas raízes."

(Teresa Moorey "A Sabedoria das Árvores")

"Desapareça o que é velho, a putrefacção e o bolor desta massa informe: venha, pois, a eterna vastidão de um espírito liberto, um ser tão livre que projecta a imagem da eterna esperança na mais pequena gota de orvalho pousada no cálice de uma flor."
(Shakespeare)

February 10, 2018

Floral de Iris Amarelo (Iris Pseudacorus) – Expressão Criativa




This common body
Like to a vagabond flag upon the stream
Goes to and back, lackeying the varying tide,
To root itself with motion
Shakespeare, Anthony and Cleopatra



Numa manhã de Abril há um ano atrás, as aves e os insectos voavam em grande azáfama enquanto me preparava para ir até ao rio da aldeia da minha avó. Sabia que aí encontraria muitas destas flores -uma observação anual tinha-me mostrado serem as zonas húmidas o seu habitat favorito-, quando… o encontro no nosso jardim! Não me recordava de ter colocado ali nenhum, mas a sincronia certamente queria dizer-me algo e, como levava um frasquinho já com energia destas flores -recolhida à beira de um córrego de uma bonita quinta em Sintra-, aproveitei e fiquei por ali.
O sol estava na altura certa e, quando me sintonizei com aquele modesto Iris (que até parecia meio deslocado), uma brilhante fada amarela de longas asas pontiagudas revelou-se sentada na flor. Silenciosamente foi deixando escorrer para a água que eu levava a sua essência mágica orvalhada, como se de gotas de mel se tratassem, salientando a grande quantidade de néctar que cada flor desta espécie se diz produzir e também um dos seus ápodos: “róscida” (orvalhada). Foi deste modo que a nossa horta e jardim devolvia a criatividade que nela tínhamos investido, após anos e anos de abandono, surpreendendo-me a mim em particular com o florescimento daquela que precisamente buscava.


A Iris Pseudacorus é muito útil na limpeza de águas pois os seus prolíficos rizomas fazem um excelente trabalho de filtrar metais e toxinas, brilhando as solarengas flores acima do lodo. De facto, esta planta resiliente, que mesmo cortada surge com renovada força, possui uma cor tão pura e intensa que levanta o espírito só de ser observada, mas que aliada à harmonia da forma nos recorda que a vida é muito mais do que mera (sobre)vivência. É muito útil quando sentimos que os nossos “pés de barro” nos afundam no mundo material. Este elixir dá confiança e segurança nas nossas habilidades inatas para ser criativos e felizes, sem tensão relativamente ao futuro, devolvendo-nos deste modo vivacidade.

Iris na mitologia grega é a mensageira de asas douradas dos deuses, fazendo a ponte entre estes e os humanos através do arco-íris no qual viaja. Tem sido um símbolo de eloquência e a própria flor parece estar a falar: as suas pétalas inferiores descem em direcção ao chão como que mostrando uma boca aberta mas constituindo na verdade a plataforma perfeita para os insectos polinizadores aterrarem. 


Este elixir ajuda a trazer inspiração quando tudo parece “aborrecido”, dando a habilidade de VER a beleza em tudo o que nos envolve e a expressá-la de modo a que outros a possam também ver mais claramente. Por alguma razão foi, em anatomia, dado o nome de “Iris” à porção colorida do olho que responde à intensidade da luz. A Iris promove em nós a vontade de explorar novas áreas e habilidades sem medos nem reticências, avançando com fé, sabedoria e valor- que se dizia que as suas três pétalas representam, daí ter sido muito utilizada na heráldica. Ajuda-nos portanto a assumir o nosso ilimitado potencial partilhando a nossa capacidade criativa com o mundo, desenvolvendo esses impulsos e potenciais.
A nossa filha, quando tinha  4 anos, ao tomar o elixir, revelou no mesmo dia uma mudança que foi para mim muito clara: deixou de dizer “não” por simples vontade de contradizer e até nos mais pequenos gestos parecia expressar-se criativamente. A sua capacidade de cooperação demarcou-se tanto que me fez meditar no facto de, muitas vezes, um “não” ser apenas uma fuga, um modo de evitarmos encontrar soluções criativas para as questões da vida.
Este elixir possui a força de Júpiter e Vénus e foi sintonizado com o sol em carneiro.

Afirmação: “Abro-me a novos projectos criativos e a outras artes a ser revelas”

©Sofia Ferreira