"The Alchemy of a changing life is the only truth"
(Rumi)

"A magia é um acto transformador e a verdadeira transformação tem lugar bem fundo nas nossas raízes."

(Teresa Moorey "A Sabedoria das Árvores")

"Desapareça o que é velho, a putrefacção e o bolor desta massa informe: venha, pois, a eterna vastidão de um espírito liberto, um ser tão livre que projecta a imagem da eterna esperança na mais pequena gota de orvalho pousada no cálice de uma flor."
(Shakespeare)

January 23, 2014

Bétula (Betula Celtiberica)




Esta essência foi sintonizada nas montanhas da Galiza com ajuda de água da nascente que serpenteia ao lado destas 3 bétulas irmãs, que são ainda ladeadas por um enorme cristal de quartzo branco. No centro do círculo formado por elas foi colocado um geode de calcedónia, que ajuda a trazer a mente, as emoções e o espírito em harmonia, para captar a sua vibração e assim nasceu este elixir!

O nome “Bétula” deriva de raízes germânicas e indo-europeias querendo significar “branca, brilhante, brilhar”, aludindo à cor da sua casca, tão macia como a pele feminina, o que mostra bem as suas qualidades venusianas. Refere-se ainda à capacidade de purificação da Bétula tanto física como energeticamente que tem paralelo nas suas qualidades aquáticas. No mundo celta a Bétula simbolizava crescimento, renovação, adaptabilidade, que é reforçado pela calcedónia que abre a mente no sentido de aceitar novas ideias e situações. Também era associada à Senhora dos Bosques, a fada que abria os portais para os reinos subtis, e o Axis Mundis, a via pela qual descia a energia celeste e por onde sobe a aspiração humana de ascender.


Este elixir reduz o stress, fortalece a nossa fé, dá capacidade de nos transformarmos e encoraja na aprendizagem de coisas novas pois é considerada a árvore da SABEDORIA (arbor sapientis). Concede doçura aos que têm a tendência a ser duros e oferece flexibilidade mental e física. A Bétula acima de tudo mostra-nos os potenciais que temos dentro de nós, dá acesso aos nossos recursos interiores e reflecte as possibilidades dando-nos claridade nas nossas intenções, inspiração, maturidade e paz interior. Dá-nos ainda a capacidade de visualizar os nossos sonhos e propósitos de vida e de co-criar com eles: as oportunidades nascem para que possamos levar movimento às áreas da nossa vida que têm estado estagnadas.

Limpa os bloqueios emocionais nos rins (acção através do 2º chackra), que podem estar relacionados com a melancolia de um "passado glorioso" dando-nos um novo élan e uma compreensão esclarecida: equilibra o metabolismo com a parte mental. A nível físico é portanto benéfica para questões urinárias e de pele.
A nível psíquico aumenta as nossas capacidades metafísicas, ajudando a ver e comunicar com os nossos guias e a ver o futuro por exemplo. Fisicamente está ligada essencialmente aos pulmões ajudando a limpá-los e a fortifica-los a todos os níveis, o que é reforçado pelas propriedades da calcedónia, alem de limpar o sangue e o sistema linfático.
 

 Pertence aos planetas Vénus e á Lua (ver “Características Planetárias”), e aos chakras do coração  e frontal (ver “Chakras”).

Heléboro Selvagem (Helleborus foetidus)



Encontrei alguns destes mágicos seres apenas em determinadas partes deste vale galego e, surpreendentemente, prestes a florir em pleno inverno parecendo estar numa longa gestação antes de se abrirem num degradé de verdes. A sintonização foi realizada em lua decrescente em conjunção com a nebulosa M87 (o lado louco e selvagem do Feminino), e através da recolha do orvalho pousado directamente nas pétalas das flores.
Este elixir ajuda a clarificar a nossa direcção, restaurar o equilíbrio e a reconectarmo-nos com a vitalidade e vivacidade naturais do coração, avançando no nosso caminho de modo poderoso. Limpa este centro de toda a negatividade, que pode ser herdada ou kármica ou apenas ter origem em tristezas e dores de um passado recente, reconstituindo a sua estrutura energética divina.
Ao ajudar a lidar com os ferimentos ela dá confiança para a abertura. Após um tempo de recolhimento, de harmonização e de concentração no seu íntimo lembra-nos que um período de concentração é seguido por outro de expansão.



Depois da limpeza das energias estagnadas, que podem criar doenças físicas arraigadas no contexto do sagrado feminino (útero, ovários, seios), uma iluminação atravessa profundamente os bloqueios que impedem que essa energia possa fluir livremente, como uma sombra que nos impede de dançar com a vida.

Este elixir traz-nos uma bela energia primaveril e também nos dá a sabedoria da irmandade sagrada ao fazer-nos viajar ao coração da Terra e conhecer os mistérios do sagrado feminino.


O arquétipo é o de Sheela-na-gog,  esculturas com a representação de uma mulher nua de cócoras e exibindo expressamente a sua vulva.
Chakras Raíz e Coronário /Qualidades de Saturno e de Vénus